Breaking Tradition – Dona Niza Wines


”Quebrar a tradição”

Quando pensamos nos vinhos do Algarve, normalmente o que nos vem à cabeça são vinhos tintos e alguns rosés de grande qualidade.

Então e se eu vos disser que no recente concurso de vinhos do Algarve aquele que foi considerado o melhor de todas as categorias foi…um branco!

Não deixa de ser surpreendente por não haver uma grande notoriedade neste tipo de vinhos produzidos na região mas na verdade o Dona Niza Arinto 2019, veio reconfirmar que temos potencial para produzir este tipo de vinhos com grande qualidade e mais do que isso, vinhos que fazem sentido na região devido às altas temperaturas e gastronomia.

Difícil de encontrar literalmente encravada no meio da pitoresca zona de Carvoeiro, um portão alto com um muro discreto, dão nos as boas vindas para este pequeno tesouro, notamos logo á chegada o cuidado empregue nas vinhas, á nossa chegada a simpatia cativante do Sr.João, homem de negocios que sabe bem que às vezes o segredo das coisas é não mexer muito, e essa ideia aplica se a esta pequena quinta. A cerca de 300 mts do mar e com a proximidade da costa em linha reta a uns 1000 mts de distância, contribuem de forma decisiva para a tipicidade deste vinho. Agora imaginem juntando a tudo isto um terreno com colinas que se estendem de norte para sul num terreno predominantemente argilo/calcário onde entram ventos frescos e fundamentais para a sanidade da vinha e a frescura das uvas, pois bem não fosse isto no Algarve e estaria aqui a descrever um típico “terroir” de vinhos brancos em qualquer parte do Mundo.

Este projeto é a prova de dois fatores essenciais para se fazer um bom vinho, o “terroir” ou seja as condições naturais para produzir boa uva, e outra não menos importante, a paixão! E neste aspeto essa paixão reflete se no rosto do grande responsável e mentor por este projeto, o Sr.João Raposo, é algo que percebi logo quando conversei com ele numa manhã quente de início de verão na sua propriedade do Monte do Lobo.

Keep it simple, este é o segredo deste pequeno produtor, só tem duas castas plantadas, o tradicional Crato Branco e este Arinto espetacular que provei, ambos os vinhos crocantes, frescos com um final de alguma salinidade e ambos são vinhos perfeitos para a gastronomia local onde destaco o Crato Branco para mariscos naturais tais como ostras ou perceves ou a complexidade e ligeira gordura do Arinto que é perfeito para peixes grelhados com azeite e limão, baixa produção, sem intenção de crescer em quantidade mas sim na qualidade o que me deixa a pensar como vinhas tão jovem com idades entre os 5 e 6 anos já produzem com esta qualidade, deixa me curioso que o futuro vai ser promissor ao longo dos tempos com o crescimento das vinhas. Uma casa rodeada de vinha, um armazém abrigado do calor e todo o vinho a ser vinificado no complexo da antiga Coop de Lagoa, simples e eficaz.

Poucas garrafas disponíveis das duas variedades mas de certeza um produtor a ter em conta e que sugiro fortemente a ser conhecido com uma relação preço qualidade quase desconcertante.

Miguel Martins – Sommelier

Instagram: miguel_martins_sommelier

https://www.donanizawines.pt/



Breaking tradition

When we think of Algarve wines, normally what comes to mind are red wines and some great quality rosé. So what if I tell you that in the most recent Algarve wine competition the one that was considered the best in all categories was…a white wine!

It is quite surprising as there is not much notoriety in this type of wine produced in the region, but in fact, the Dona Niza Arinto 2019, confirms that we have the potential to produce this type of wines with great quality and also wines that suit this region due to the high temperatures and gastronomy.

Quite Hard to find, literally wedged in the middle of the picturesque area of Carvoeiro, behind a high gate and a discreet wall, we were welcome to this little treasure. On our arrival, we noticed the care and attention used in the vineyards, and we are greeted with the endearing friendliness of Mr. João, a businessman who knows well that sometimes the secret of things is to leave it alone, and this idea applies to this small farm. At about 300 meters from the sea and with the proximity of the coast in a straight line of about 1000, contribute in a decisive way to the typicity of this wine. Now imagine adding to all this a terrain with hills that extend from north to south in a predominantly clay/limestone terrain with fresh winds which are fundamental to the health of the vineyard and the freshness of the grapes, well if this were not in the Algarve I could be describing a typical “terroir” of white wines anywhere in the world.

This project is the proof of two essential factors for making a good wine, the “terroir” or the natural conditions to produce good grapes, and another not less important condition, passion! And this passion is reflected in the face of the great responsible and mentor for this project, Mr. João Raposo, and is something that I realized straight away when I spoke to him on a hot early summer morning at his property in Monte do Lobo.

Keep it simple, this is the secret of this small producer, he only has two grape varieties planted, the traditional Crato Branco and this spectacular Arinto that I tasted, both wines are crisp, fresh with a saline finish and both are perfect wines for local cuisine where I highlight the Crato Branco for natural seafood such as oysters or barnacles or the complexity and slight fat of the Arinto that is perfect for grilled fish with olive oil and lemon, Low production, with no intention of growing in quantity but in quality which leaves me wondering how such young vines aged between 5 and 6 years old already produce such quality wine, leaving me curious for a promising future over time with the growth of the vineyards. A house surrounded by vineyards, a warehouse sheltered from the heat and all the wine being vinified in the complex of the old Coop of Lagoa, simple and efficient.

Few bottles available of the two varieties but certainly a producer to keep in mind and that I strongly suggest to be known with an almost bewildering price-quality ratio.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *